Saturday, March 23, 2013

Portugal é assim: um caldeirão de jogadas


  
O eventual regresso de José Sócrates a um espaço de opinião é notícia, sobretudo para quem defende a liberdade de expressão e recusa qualquer tipo de censura, mesmo sobre aqueles que se destacaram por perseguir e caluniar os jornalistas.

No actual quadro, em que políticos no poder e ex-governantes enxameiam o espaço público, qualquer critério discriminatório em relação ao ex-primeiro-ministro socialista só tornaria a realidade portuguesa ainda mais ímpar.

Dito isto, impõe-se uma pergunta: qual será o motivo de tanto interesse por este tipo de personalidades?

A resposta é múltipla, mas pode ser resumida por Portugal estar transformado num imenso caldeirão de jogadas.

O tráfico de influências não é um exclusivo da política e dos negócios. Há muito tempo que a comunicação social está cercada por um pântano de traficâncias.

Neste jogo, em que cabem todo o tipo de jornalistas, os que resistem, os assim-assim e os que passaram pelas assessorias do poder, as negociatas não têm fim: candidatos a qualquer coisa são promovidos, ex-governantes são recuperados, estratégias inconfessáveis são favorecidas e interesses extra editoriais são acautelados.

Minada pela concentração e pela crise, a comunicação social tem vindo a abdicar da opinião livre e independente, permitindo todo o tipo de branqueamentos e alguns dos mais surrealistas momentos de análise e comentário.

Será que esta estratégia instrumental tem concorrido para uma opinião pública melhor informada?

As quedas vertiginosas nas audiências das televisões, rádios e jornais não enganam: os cidadãos estão fartos destes jogos de bastidores, nomeadamente da insuportável turbo-opinião.

Salvo raríssimas excepções, esta realidade apenas tem contribuído para a mediocridade da informação.

O escrutínio não pode ficar cingido à dança de cadeiras entre o poder político e as empresas públicas e privadas, tem de ser alargado a este baile de máscaras pindérico em que o jornalismo está enredado.

O pluralismo não é uma questão de equilíbrio entre o número de representantes dos partidos políticos, mais ou menos encapotados, pertençam eles ou não ao arco da governação.

A questão pode ser subjectiva, mas ninguém tem dúvidas sobre o que é a opinião livre e independente, pois ela nasce e vive fora do sistema, incomoda o poder, não alinha no coro dos interesses mesquinhos, corporativos e dominantes e, sobretudo, nunca pode estar ao serviço de interesses próprios ou pessoais.

A opinião não é um posto. Não é um cargo. Nem tão-pouco pode ser um tacho com direito a mordomias várias. É um direito e um dever, mas também um reconhecimento em relação a quem não participa, nem nunca participou, num qualquer caldeirão de jogadas caracterizadas por todo o tipo de cumplicidades e conivências.

Os verdadeiros opinion makers não são passíveis de confusão com pivôts contratados depois de negociações secretas e a assinatura de contratos confidenciais, quiçá, milionários. Eles representam um certificado de idoneidade e merecem respeito pela sua isenção e credibilidade. São recrutados através de critérios editoriais transparentes. E fazem parte do património de qualquer democracia digna desse nome.

Quando Pacheco Pereira afirma que a escolha de José Sócrates para a RTP foi uma decisão do Governo, o silêncio pesado do director de informação da estação pública é um insulto aos jornalistas e, sobretudo, uma provocação a todos os portugueses. Em 24 horas, mais de 100 mil já lhe deram, expressamente, uma resposta clara.




Saturday, March 9, 2013

Portugal é assim: nem a lavandaria nos salva



A reacção de Pedro Passos Coelho à monumental manifestação do passado dia 2 de Março, organizada pela sociedade civil, demarcada de qualquer partido político, é a prova que o poder executivo ainda se permite a todo o tipo de desaforos provocatórios perante a indignação sofrida, como se a legitimação eleitoral lhe permitisse todo o tipo de desvarios.

O Governo ainda continua a acreditar que a relação da maioria dos portugueses com o poder continua a ser salazarenta, traduzindo o velho postulado de um povo de brandos costumes, obrigado e venerando, que tudo aceita e tolera desde que garantida a subsistência com alguma dignidade.

Em boa verdade, enquanto choveu dinheiro a rodos da Europa, os portugueses aceitaram fazer vista grossa à liquidação dos mais elementares valores institucionais e democráticos em troca de uma vida com melhores condições.

Hoje, a realidade é diferente.

A crise tende a minar este tipo de transigência, ancorada numa herança política alimentada por uma elite bajuladora e por uma comunicação social cada vez mais instrumental.

Actualmente, novos e velhos, de barriga vazia e olhos bem mais abertos, estão cada vez menos disponíveis para suportar "cantando e rindo" o buraco para onde foram atirados, ao mesmo tempo que assistem ao enriquecimento descarado, e até criminoso, de uma clique que gravita à volta do Estado.

Na recta final da sétima avaliação da troika, em que qualquer eventual alívio não vai evitar mais sofrimento, mais falências, mais despedimentos, mais pobreza, nem mesmo a diplomacia de mão-estendida, qual política de passadeira vermelha a ditadores e a sanguinários, com o objectivo indisfarçável de sacar uns trocados de dinheiro sujo, parece ser suficiente para inverter a espiral de sacrifícios a que os portugueses estão condenados.

O limite foi ultrapassado. Já não há dinheiro suficiente para alimentar tanta negociata e disfarçar tanta iniquidade.

Nem a lavandaria nos salva!

No momento em que o país foi assolado por uma vaga de elogios fúnebres a Hugo Chávez, é preciso recordar que, lá como cá, nenhuma encenação mediática é capaz de esconder a miséria de um povo, nem alterar a realidade de um país fustigado pela corrupção.

A cultura interna de um poder forte com os fracos e fraco com os fortes, caracterizada por diversos tipos de conivências e impunidades, e replicada ao mais alto nível do Estado e nas relações externas, falhou clamorosamente. E tem, obviamente, os dias contados.

Desvalorizar mais um aviso pacífico e civilizado, tentar disfarçar o significado da união de diversas gerações de várias classes sociais, em suma, ignorar a mensagem da manifestação do passado dia 2 de Março é muito mais do que um acto de arrogância política. É uma atitude irresponsável de quem está desesperado, porque já percebeu que falhou.

A solução não passa por improvisos, truques, cedências, messianismos, silêncios e auto-elogios. Nem por reuniões e debates à porta fechada. Nem por proclamações patrioteiras de quem sempre se caracterizou pelo calculismo e omissão. Nem mesmo por discursos inflamados. Nem tão-pouco por uma parte da justiça de joelhos perante o poder político e Executivo.

A manter-se o actual status quo, nunca a perspectiva de fim de mais um ciclo político foi tão evidente.

Apenas subsiste uma única dúvida: saber se as instituições democráticas estão suficientemente consolidadas para funcionar, com normalidade, ou se o Governo vai implodir por um qualquer golpe palaciano ou por força da vontade popular.

Saturday, March 2, 2013

Bento XVI versus governantes impolutos e manifestações



As grandes manifestações fazem parte do Portugal democrático. Porém, as últimas do consulado de Sócrates, que contribuíram para o sonho de mudança, não evitaram que o povo voltasse a cair no logro de eleger gato por lebre em 21 de Junho de 2011.

Por melhores que tenham sido as suas intenções, Pedro Passos Coelho transformou-se numa fraude política. E Paulo Portas, com uma agenda pessoal e instrumental, já abandonou a farsa de parecer diferente.

Poucos poderiam imaginar que, ainda antes de metade do mandato conferido pelos portugueses, os membros do Governo pudessem ser tratados de uma forma tão humilhante sempre que colocam um pé fora dos gabinetes.

Não é de estranhar que o epíteto de "gatuno" seja gritado a cada aparição pública desta gente, com seguranças por todo o lado, que não é respeitada, nem se dá ao respeito, interna e externamente.

No momento em que os portugueses são convidados a expressar a sua opinião, sob a forma de mais uma manifestação de rua, convocada por um movimento cívico – "Que Se Lixe A Troika" –, que tem tanto de juventude como de errático, importa recordar que o protesto não é um fim em si mesmo, não tem apenas uma única forma de expressão, nem um lugar de eleição definido.

Neste momento, é determinante tentar encher as ruas do país, de forma a medir a indignação dos cidadãos, mas é ainda mais importante promover a consciencialização colectiva de que chegámos ao fim da linha de um sistema corrupto e iníquo.

O exemplo italiano é paradigmático.

A vitória do comediante Beppe Grillo nas últimas legislativas italianas, em número de votos, é um sinal inequívoco de recusa de mais do mesmo, seja ele Pier Luigi Bersani, Silvio Berlusconi ou Mario Monti. E foi mais um passo para abalar o vale-tudo que se apoderou da globalização.

Os portugueses não podem ficar pelos cartazes e pelo folclore do protesto pontual e periódico. Nem ficar à espera que o exemplo da resignação de Bento XVI inspire alguns espíritos menos iluminados.

Têm de começar pelo princípio, desde logo recusando os palpites dos "sábios", que nos atiraram para a actual situação, pelas passerelles da imprensa mainstream.

É no dia-a-dia que está a diferença.

É na denúncia do favorecimento gritante dos mais fortes em detrimento dos mais fracos, no escrutínio de uma justiça metida na cova dos interesses políticos e partidários, na atitude de exigência de renovação nos partidos tradicionais e no favorecimento da emergência de novas forças políticas que pode estar a solução.

Em suma, é na afirmação da rejeição deste sistema, sem ter medo do papão de putativos populismos, sejam eles de esquerda ou de direita, é na penalização eleitoral de quem está sempre dentro do caldeirão do poder, ao mesmo tempo que insiste em reclamar um estatuto de impoluto, que está a chave do futuro.

No momento do voto, os portugueses não podem esquecer todo o sofrimento que sentiram e continuam a viver, com o desemprego a atingir limites inimagináveis, nem tão-pouco permitir a constante tentativa de branqueamento dos responsáveis pelo actual caos instalado que ainda vai durar muitos e longos anos.

O momento de introduzir o voto na urna é sempre uma oportunidade de ouro renovada para varrer, de uma vez por todas, os rostos dos responsáveis pela crise que se perpetuam no poder e à volta dele, sempre com o mesmo descaramento e idêntica impunidade, indiferentes a todos os protestos e sempre disponíveis para engolir o que for preciso para manter as aparências.