Saturday, February 8, 2014

Portugal na lama: só falta Obiang


A mais recente iniciativa de Ana Gomes, eurodeputada eleita pelo PS, permitiu que Rafael Marques, jornalista angolano, e duas testemunhas dos crimes sanguinários do poder angolano nas Lundas – Linda Moisés da Rosa e Mwana Capenda –, realizassem uma conferência de imprensa, em Lisboa, na representação da União Europeia.

Cidadãos portugueses e angolanos, uns mais oficiais do que outros, gadgets à parte, assistiram aos relatos lancinantes das atrocidades perpetradas em nome de um regime miserável, alguns dos quais fazem parte do livro "Diamantes de Sangue - Corrupção e Tortura em Angola", de Rafael Marques, editado pela Tinta da China, em 2011.

Mas a conferência, intitulada "Diamantes, Milionários, Violência e Pobreza nas Lundas", revelou mais, muito mais.

Em primeiro lugar, revelou o tipo de Estado que existe, hoje, em Angola, o tal que tem as portas abertas, com mais ou menos passadeira vermelha, em Portugal.

Em segundo lugar, revelou que, entre os notáveis e o povo, há sempre alguém que resiste, que não se deixa intimidar e comprar, mesmo que tenha de pagar o preço da tortura, de todo o tipo de violência e até da brutal perda de entes queridos.

Em terceiro lugar, revelou que Portugal continua na lama, cada vez mais dependente dos capitais de países totalitários, mais ou menos sanguinários, desde a China a Angola.

Por último, revelou também, não obstante esta falta de sentido estratégico e de vergonha nacional, que um banco português – BANIF –, liderado por Luís Amado, ex-ministro dos Negócios Estrangeiros de José Sócrates, pode estar à beira de servir de plataforma para um esquema de lavagem de dinheiro de um regime corrupto e criminoso como o da Guiné Equatorial, liderado por Obiang Nguema e pela sua família.

Nem mesmo o facto dos contribuintes portugueses terem injectado 1100 milhões de euros para salvar o banco português parece ser suficiente para garantir a atenção e a firmeza das entidades de regulação financeira.

Os portugueses precisam de saber quem são e o que representam os novos detentores particulares e institucionais de posições-chave na economia e nas finanças de Portugal, bem como os riscos que decorrem dos processos de transição nalguns países exportadores de capital para Portugal.

Determinados sectores, incluindo os órgãos de comunicação social, estão a ser tomados por aqueles que representam outro way of life: a ditadura, o crime, a corrupção, o nepotismo e a censura.

Mais do que a gritaria inflamada contra Pedro Passos Coelho, por estar a vender o país a retalho, é isto que vale a pena prevenir, denunciar e até combater.

E, como sempre, há quem esteja do lado certo da História: Ana Gomes, Rafael Marques Rafael Marques, Linda Moisés da Rosa e Mwana Capenda são exemplos de quem continua a manter-se no campo dos direitos humanos, da transparência, do diálogo, sempre no lado oposto do enriquecimento e  branqueamento de criminosos e facínoras.

Os órgãos de comunicação social, designadamente as televisões, pública e privadas, tinham obrigação de ter garantido uma ampla cobertura do acontecimento para informar os portugueses, porque é o nosso futuro que está em causa.

Será que podiam?

Felizmente, com mais ou menos qualidade, a verdade é que a Agência Lusa deu conta da iniciativa, permitindo umas breves avulsas na generalidade da imprensa. Mas não chega. É preciso mais da parte de quem tem o dever e a missão de informar, com rigor e isenção, sobre o que se está a passar dentro e fora de portas. 

Saturday, February 1, 2014

António José Seguro mais perto


O líder do PS tem dados sinais, nos últimos tempos, de distanciamento de uma certa forma de fazer política – tão cara a governos e governantes de esquerda e de direita – que tem comprometido o desenvolvimento do país e o futuro de sucessivas gerações.

Actualmente, é claro que a política de terra queimada, que marcou o início do mandato do actual secretário-geral dos socialistas, muito pela pressão desenfreada de uma certa facção minoritária do PS, chegou ao fim.

Finalmente, o líder do PS compreendeu que há opções que não trazem qualquer vantagem a médio e longo prazo.

Seguro está a abandonar, progressivamente, o caminho da gritaria, deixando a tarefa espalhafatosa a alguns rostos socialistas, comprovando que não mete a cabeça na areia face aos diferentes indicadores que têm desmentido as teses mais catastrofistas.

O líder do PS já percebeu que a vozearia inconsequente, sem consistência nem alternativas credíveis, pode vir a ser uma arma de arremesso fatal lá para 2015, pelo que tem deixado cair alguns órfãos do partido que, de semana para semana, perdem credibilidade pelo radicalismo estéril.

A evolução do pensamento do líder do maior partido da oposição, que traduz a preparação do PS para ser alternativa, tem passado pela afirmação de uma vontade de maior transparência, rompendo com o pântano em que a política se transformou.

António José Seguro compreendeu que chegou a hora da acção. E por isso está mais perto do seu objectivo.

A aprovação da reforma do IRC, as críticas directas aos quatro anteriores governos, do PS e do PSD, por manifesta falta de cumprimento das promessas eleitorais e a fleuma em relação à intriga partidária têm permitido a António José Seguro consolidar a sua candidatura a primeiro-ministro.

O PS tem de agir e pensar em Portugal, em vez de estar infantilmente obcecado em tentar reescrever a história. Quanto mais serena e construtiva for a oposição socialista, sem abdicar da frontalidade do seu pensamento e opções políticas, mas hipóteses o PS tem de chegar ao poder.

A pesada herança do resgate internacional, mais um, não desaparece com sound bytes avulsos ou com um discurso marketeiro mais ou menos colorido e agressivo.

O aventureirismo de mais e mais dívida, a confusão entre a Europa que temos e aquela que gostaríamos de ter e a fantasia de colher os benefícios da globalização sem estar preparado para pagar os seus paradoxos já custaram demasiado para ser possível equacionar, novamente, o regresso a atitudes imaturas e diletantes.

 Os socialistas precisam de trilhar um caminho com os pés bem assentes na terra para voltarem a ter a confiança dos portugueses. E antes dos interesses do PS têm de  estar os interesses daqueles que estão a pagar na carne, todos os dias, os erros dos socialistas no passado.

A oposição ancorada numa estratégia competente, firme e serena não é incompatível com acordos pontuais com a maioria que sustenta o governo de Pedro Passos Coelho, desde que esses compromissos sirvam um quadro de estabilidade que potencie a atracção de investimentos e a rápida criação de mais emprego.

O espírito de compromisso, as propostas realistas e a renovação dos rostos que dão visibilidade à alternativa socialista obrigam o governo a governar melhor. E mais: fazem parte do dever de construir um país mais justo e próspero.


Os próximos meses, com mais ou menos folclore com a saída da troika, vão ser decisivos para atestar se António José Seguro está preparado, finalmente, para o encontro que tem marcado com a história.