Saturday, December 16, 2017

Portugal ao espelho



A queda da Associação Raríssimas não é mais nem menos do que um mero exemplo dos tombos que o país de sempre deu, constantemente, há tempos e tempos, basta reler a História.

É o país do manganão, definitivamente, dos farsolas e dos falsos enganados que se alimentam, promovem e bajulam reciprocamente.

E quando rebenta mais um escândalo é vê-los, uns e outros, algozes e supostos impolutos, a arredar o pé.
  
É um exemplo que leva a outra realidade paralela em que o recato e a sobriedade são palavras vazias.

Não há problema, nunca há problema.

Nem que seja à custa do uso e abuso de donativos para assistir crianças ainda mais raras.

E venha uma Rainha...

Custa a acreditar que estas "vítimas" de mais um(a) saloio(a) deslumbrado(a), que nunca se livrou do chinelo no pé e do modus operandi do bairro suburbano, nunca suspeitassem de nada.

Claro, agora, é vê-los com cara de espanto.

Quanta desfaçatez...

No meio desta farsa existe um padrão de actuação mais profundo, resultado dos tempos em que vivemos, em que os valores e os princípios se resumem ao moralismo e voyeurismo dos costumes.

Ai, como é triste tudo isto.

Que exemplo para as futuras gerações tudo deitar fora por um carro topo de gama, por um trapo da moda ou por um prato de marisco...

E como é revoltante assistir a uma elite que sonha e se contenta com o supérfluo, que perde o norte e o sul por um par de mordomias sem importância.

A novela medíocre e grotesca, entre nós nada raríssima, faz lembrar os velhos tempos do cavaquismo e do socratismo em que o brilho falso fazia rodopiar os parolos deslumbrados com o poder e o dinheiro fácil, enquanto os oportunistas e os poderosos de sempre se aproveitavam e rebolavam a rir.

Sim, é isso mesmo, ainda não nos habituámos aos valores da Democracia, ao significado da responsabilidade política e pública, ao imperativo da gestão da coisa pública com ética e desprendimento, de que o Estado não sou eu, mas somos todos nós.

O caso Raríssimas é, mais uma vez, o país a ver-se ao espelho.

É o centrão em todo o seu esplendor.

É o modelo assistencial a mostrar uma parte do seu buraco negro.

É a dança das cadeiras entre o poder político e um rendimento obsceno nem que seja à custa de donativos para tentar salvar crianças ainda mais únicas.

Dizemos que não gostamos! 

Garantimos que não se pode repetir!

E, depois...

Next!

Sunday, November 19, 2017

PSD: o futuro é já ali


O destino do PSD será determinado por dois factores: a herança de Pedro Passos Coelho e a eleição de um líder que assuma o combate por um Portugal mais livre.

Pedro Passos Coelho saiu pelo seu próprio pé, depois de ter enfrentado a fabulosa máquina que José Sócrates criou, e que ainda mexe, dentro e fora do PS.

Nem todos terão dado conta da dificuldade extrema que foi barrar os interesses desta gentalha, dia após dia, mês após mês, ano após ano.

Infelizmente, e apesar de ter tentado algum distanciamento, Pedro Passos Coelho nem sempre usou o mesmo critério em relação à outra gentalha homóloga do PSD, também composta por todo o tipo de gente, desde oportunistas a corruptos do tempo cavaquista.

Esta dicotomia de critérios foi fatal para a percepção dos portugueses em relação ao ainda líder do PSD.

Ninguém compreendeu, e podia aceitar, que a demarcação em relação ao universo de Sócrates não fora consubstanciada por igual atitude em relação aos pares de partido.

A máxima exigência em relação aos portugueses tinha de ter sido acompanhada por uma atitude cristalina em relação a todos, mesmo todos, que marcaram um passado de assalto aos bolsos dos portugueses que levaram o país à ruína.

Isso, sim, teria sido, manifestamente, marcar a diferença.

O mesmo se passou, infelizmente, em relação aos interesses difusos e inconfessáveis de terceiros em países como Angola, Venezuela e Brasil, aos quais Pedro Passos Coelho foi fechando os olhos sob o pretexto de uma alegada política de Estado.

Tal como na economia,  acelerar e travar ao mesmo tempo em política dá mau resultado, seja o projecto mais ou menos liberal.

Pedro Passos Coelho não quis, não soube ou não conseguiu ir mais longe, não arrancou a partilha do sonho de um país com mais transparência e menos corrupção, com melhor e menos Estado.

O seu sucessor vai ter pela frente o mesmo dilema: vai ter que escolher entre os tiques do passado e um projecto de futuro.

Tudo indica que a eleição do novo líder não deverá ser determinada por um projecto sólido, inovador e ousado, mas sim pelo somatório de vontades e interesses dos barões que mandam no partido, devidamente executados pelos instrumentais "boys" do aparelho.

Mas, como sempre, há sempre uma nesga de esperança.

Como Pedro Passos Coelho ainda tem o partido na mão, logo pode influenciar o resultado desta contenda.

Eis a última oportunidade do ainda presidente do PSD ficar na história, ao ajudar a eleger um líder limpo e capaz de fazer face aos interesses instalados.

Pode ser a última contribuição que lhe permitiria ainda aspirar a ter futuro político. 

Tuesday, October 17, 2017

Marcelo: auto-estima, pântano e bailete


O presidente da República tem pautado o seu mandato pela proximidade, exibindo um estilo informal.

É verdade que o país precisava de uma lufada de ar fresco e de ânimo, mas promover a auto-estima dos portugueses não é igual a participar em eventos mais ou menos folclóricos e enviar uns recados avulsos em dias de comemoração, os quais, quando isolados e desgarrados, apenas servem para reforçar a sensação de branqueamento generalizado.

E a auto-estima de um povo só pode ser atestada pela regra, e não pela excepção traduzida na inauguração de mais uma obra faraónica ou de um momento de exaltação patriótica.

A valorização da auto-estima só se alcança com verdade, transparência e políticas concretas.

Por ter saneamento básico, mesmo no mais recôndito lugar do país;

Por ter Saúde, sem ter de estar horas numa fila de espera ou correr o risco de morrer por causa de uma bactéria à solta nos hospitais;

Por ter Educação, sem chafurdar nas conjunturas políticas, partidárias e sindicais;

Por ter acesso à Justiça, sem ter de pedir dinheiro emprestado para pagar as custas e assegurar advogados com o mínimo de experiência;

Por ter acesso à Cultura desde a escola primária, sem ter de pagar umas feiras, uns concertos e umas óperas com convidados em traje de gala.

Em suma, a apologia da auto-estima é assumir o pior, sem vergonha, rodeios e paninhos quentes, pois só assim é possível mudar e progredir.

Por isso é que os negócios, negociatas e demais falcatruas, que têm assaltado a agenda mediática e o quotidiano dos portugueses, já deviam ter mobilizado o presidente para o combate aos ladrões e corruptos.

Na batalha sem quartel que se está a travar entre as máfias que dominaram o país nas últimas décadas, como atestam os mais diversos processos judiciais e os livros dados à estampa com estrondo, Marcelo Rebelo de Sousa tem de escolher entre a equidistância cúmplice e a reprovação activa e mobilizadora.

Portugal só conseguirá sair do pântano com atitudes cristalinas, a afirmação do Estado de Direito, a protecção dos direitos individuais e a defesa da liberdade de expressão.

Apesar de ter interiorizado a cultura democrática, Marcelo Rebelo de Sousa é o que é, não pisa o risco, continua a ser o fiel sorridente do sistema, o comentador do regime, o amigo de todos, dos "doces" aos  "salgados".

Mas a vida é como é, desde que os cidadãos assim o permitam.

E têm permitido tudo, com o beneplácito de uma elite venal e venial, de uma classe política assolada pela opacidade e corrupção e de uma comunicação social tão veneranda quanto falida, salvo raras excepções.

Mas Portugal é muito maior do que uma certa canalha minoritária e transitória, hoje como ontem instalada no poder, que multiplica elogios e estende a passadeira vermelha a quem varre o lixo para debaixo do tapete como quem dança a valsa.

Mesmo para aqueles que querem parecer o que não são, nem nunca foram, com a cumplicidade do exército de pardos pagos principescamente para nada ver, ouvir e saber, a realidade é só uma: a batalha pela melhoria da auto-estima de um povo é muito mais do que um bailete.


P. S. Esta crónica foi escrita em 19 de Outubro de 2016. Um ano depois continua Mais Actual!

Friday, September 29, 2017

Rui Moreira: não voto


O exercício do poder não pode ser a mera combinação da aparência e da legalidade formal.

Tanto no processo Selminho como na alienação do palacete da avenida Montevideu, no Porto, o mínimo que se pode dizer é que Rui Moreira é uma tremenda desilusão cívica e política.

Se em relação ao primeiro caso estamos conversados e mais do que conversados, em relação ao palacete da Foz do Douro, de que Rui Moreira era proprietário com os seus irmãos, o presidente da Câmara do Porto, em exercício de funções, não deveria ter feito o negócio de uma forma opaca.

Tanto mais que teve que envolver a autarquia, tendo em conta que vai dar lugar a um hotel de luxo e sabe Deus que mais.

Rui Moreira não se pode esconder na formalidade, aliás, como no caso da Selminho, de que o assunto foi tratado pelos serviços da autarquia.

E, mesmo numa perspectiva benevolente, se assim o aceitássemos, obviamente que o deveria ter feito com toda a transparência, comprovando que se distingue do sistema sustentado pelos partidos políticos tradicionais de quem diz querer distância, aliás, propósito que chegámos a acreditar ter sido a razão fundamental para ter abraçado a nobre missão de serviço público que é a política e o exercício de funções públicas.

Confesso: Rui Moreira prometia muito mais do que Fernando Medina. 

Os negócios efectuados com contratos de confidencialidade até podem ser legais, mas estão vedados – ou deveriam estar, numa Democracia digna desse nome –, a quem exerce cargos públicos pelas mais óbvias razões. 

E já nem é preciso falar das árvores centenárias, certamente acometidas de súbita doença fulminante.

De facto, não é igual vender uma propriedade a um empresário como Belmiro de Azevedo, ou a um qualquer “PEP” (Politically Exposed Person), ou "Pessoa Politicamente Exposta", nos termos da definição da FATF (Financial Action Task Force), que é uma organização inter­-governamental cujos objectivos são estabelecer padrões e promover a aplicação efectiva das medidas legais, regulamentares e operacionais para combater o branqueamento de capi­tais, entre outros, de que Portugal é membro desde 1991.

Sejam eles, por exemplo, eventualmente, Sindika Dokolo ou Isabel dos Santos.

Se não há crimes perfeitos, também não há segredos acima de qualquer escrutínio.

Como dizia George Orwell, «quando se chega à mesa de voto, não se encontram homens de pistola na mão dizendo-nos como votar».

Ora, precisamente, eis a razão porque não voto Rui Moreira, pois a transparência que tanto prometeu está ferida de morte, independentemente de quaisquer interesses, dos dele, dos meus ou dos de terceiros.

Friday, September 15, 2017

Tancos, o Estado e a informação


Já passaram quase três meses após o anúncio do desaparecimento de armas em Tancos.

Depois das mais estapafúrdias explicações, verdadeiros insultos à inteligência dos cidadãos, tudo continua por apurar, explicar e justificar. 

Roubo?

Desvio de armas?

Exportação clandestina?

Manobra de diversão?

Zero: nada se sabe sobre o que aconteceu.

Já nada surpreende neste Estado de rastos que vai sobrevivendo à mercê das maiorias conjunturais.

O que espanta é o silêncio da generalidade da imprensa, bem como dos opinion makers e especialistas em Defesa, sobre o papel da Polícia Judiciária e da secreta militares.

Nem uma palavra de escrutínio...

E depois admiram-se que os serviços de informações sejam reduzidos pela generalidade da opinião mais ou menos informada à extraordinária "missão impossível" de saber quem dorme com quem... 

Em bom rigor ninguém ainda ousou levantar a questão e/ou abordar com objectividade o que andam (ou não) a fazer as duas instituições: como é possível que armas desapareçam, hoje, ontem ou anteontem, sem que os serviços de informações e a PJ militares saibam o que se está a passar, ou melhor, não façam aparentemente a menor das ideias do que se passou?

Será para não contrariar os comunistas, sempre ciosos de um dos bastiões laboriosamente formados desde o PREC?

Será para não desagradar ao CDS/PP, que se entreteve a tentar fazer uma espécie de coutadinha privada desde o tempo em que Paulo Portas passou pela Defesa?

Será para não irritar PS e PSD, ou melhor, os interesses do Bloco Central?

Será por medo?

Ou será pelo mais gritante servilismo de quem assume responsabilidades editoriais?

Há limites para o descaramento público, pedrão, para o branqueamento da realidade...

Ficar pelo zurzir no (ainda) ministro da Defesa, Azeredo Lopes, que, aliás, se colocou e continua a colocar a jeito, é de uma mediocridade confrangedora.

E não chega, pois é impossível abafar um escândalo de tal dimensão que, pasme-se, até tem o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, refém de nunca vir a ser apurado o que aconteceu.

Sim, uma coisa é pedir o apuramento da verdade.

Outra coisa é, no exercício das suas competências e autoridade constitucional, o presidente da República, Comandante Supremo das Forças Armadas, dar um murro na mesa e exigir a verdade, o que, espantosamente, ainda não aconteceu, pelo menos de uma forma pública e audível.

O que sobra de Tancos, para já, é a triste e inquestionável realidade, com a cumplicidade de quem tem o dever e a missão de informar: os órgãos de soberania portugueses não respeitam os cidadãos, nem tão-pouco os seus representantes eleitos se dão ao trabalho de revelar um pingo de sentido de Estado.



Thursday, July 27, 2017

Operação Marquês: e o PS?


Mais de quatro anos depois do início formal da intitulada Operação Marquês, que levou à detenção e prisão preventiva de José Sócrates e já constituiu 30 arguidos, não há notícia que o Ministério Público esteja a investigar os cofres do Partido Socialista ou de quaisquer outros partidos políticos portugueses.

No contexto da vida política portuguesa, ninguém ficaria chocado se as investigações começassem por ter sido centradas nas contas do partido que Sócrates liderou.

Mas, para já, nem notícia, nem rumor, nem debate, nem exigência, nem nada.

Por que será?

Por que razão misteriosa, face a todos os indícios e suspeitas que têm vindo a público, com mais ou menos citação de peças processuais, e mais ou menos rigor jornalístico, nunca ninguém se atreveu a questionar a evidência: com tanto roubo de dinheiros públicos, tanta negociata, tanta corrupção, tanta comissão, tanta lavagem de dinheiro, então não terá sobrado nada para o partido do coração de Sócrates?

E com tanta ligação transversal, característica do Bloco Central, também não terá sobrado nem uma migalha para outros partidos políticos, sobretudo aqueles que têm representação na Assembleia da República?

O silêncio sobre esta questão tem sido de chumbo, revelando uma reverência muito especial, quiçá, um carinho ternurento e protector, em relação aos partidos políticos.

Em bom rigor, apenas Nuno Garoupa, na apresentação do livro "Os Três Magníficos", de Rui Verde, na Fnac Chiado, no passado dia 30 de Maio de 2016, ousou abordar esta questão de uma forma competente, descomprometida e cristalina, sem insinuações, mas com o rigor e a força dos exemplos passados na Europa e por esse mundo fora.

E não faltam exemplos, da esquerda à direita, desde Lula da Silva (PT - Partidos dos Trabalhadores) a Helmut Khol (CDU - União Democrata Cristã), sem esquecer o escândalo mesmo aqui ao lado, em Espanha, com José María Aznar e Mariano Rajoy (PP - Partido Popular).

O padrão não pode ser mais gritante: sempre que houve políticos, que ocuparam os mais altos cargos de Estado, envolvidos em casos de corrupção, então as investigações chegaram sempre aos cofres dos seus partidos políticos.

Em Portugal, por ora, tudo parece ser diferente.

Os banqueiros e os bancos já não escapam; nem os grandes empresários e as maiores empresas; nem mesmo os juízes e os procuradores.

Mas os partidos políticos...

A Justiça tem permitido a consolidação de uma cultura de impunidade no funcionamento dos partidos políticos, como comprova o "escrutínio" das suas contas e finanças, ano após ano, eleição após eleição.

Com a aproximação de mais uma data limite para a conclusão do inquérito criminal, resultante da "Operação Marquês", será que o país ainda vai ter uma enorme surpresa?

A Democracia nunca será uma verdadeira Democracia enquanto existir a percepção que os partidos políticos são uma espécie de coutada à parte.

Tuesday, July 18, 2017

Gentil Martins não é um exemplo


O país foi sacudido por um par de declarações avulsas de Gentil Martins sobre a "anomalia" homossexual e a "imoralidade" de um homem solteiro recorrer a uma barriga de aluguer para ter filhos.

O professor Gentil Martins proferiu uma opinião pessoal, não fez uma afirmação como médico, nem o poderia ter feito, desde logo porque nem tem competência, nem argumentação científica.

Urge desconstruir tais boutades, ao nível da conversa de café, sem cair no logro do politicamente correcto ou da intolerância bacoca, sublinhando que as declarações de gentil Martins são tão infundadas como tantas outras que ocupam o debate público, por exemplo, como aquela proferida pelo Presidente iraniano, Mohammed Ahmadinejad, em 2005, quando considerou o Holocausto um mito.

O assunto só assume alguma relevância por causa dos eventuais efeitos colaterais que tais afirmações, gratuitas e falsas, podem ter num jovem adolescente que, hoje, ainda não sente a confiança suficiente para poder viver (sem ter que exibir!) a sua orientação sexual.

Felizmente, o debate já permitiu repor a verdade dos factos.

Aliás, depois de glosada a qualidade de católico de Gentil Martins, seria de esperar uma declaração da Conferência Episcopal da Igreja católica portuguesa para manter a devida distância.

Quanto a Cristiano Ronaldo e ao recurso a barrigas de aluguer, Gentil Martins, sempre ávido pelos holofotes, hoje como ontem, confirmou o seu preconceito e ignorância, acabando por denunciar ao que veio: o insulto vulgar e rasteiro.

Ainda assim continuo a defender a liberdade de expressão e opinião, sem qualquer tipo de censura, mas nunca abdicando do exigível enquadramento jornalístico e editorial em nome do rigor factual.

Era exigível, obviamente, um contraponto da parte de quem o entrevistou e/ou uma edição mais competente que sublinhasse a alarvidade das afirmações de tão ilustre entrevistado, mas isso são contas de outro rosário, muito mais oportuno, sobre o mau serviço público prestado pelo semanário "Expresso", apesar de poder ter vendido mais uns exemplares.

Não sei se Gentil Martins, actualmente, é bissexual, gay ou hetero; também não sei se teve uma vida feliz ou se foi espancado, abusado ou vítima de bullying quando era criança; e também não sei se a sua idade terá avivado algum desvio típico do estereótipo do "macho latino".

Apenas posso opinar que não é um exemplo, nem para mim, nem para um católico, seguramente para ninguém com o mínimo de honestidade intelectual.

Wednesday, May 10, 2017

Secretas: retrocesso confirmado


Os serviços de informações vão ter um novo secretário-geral: José Júlio Pereira Gomes.

É o fim de um  ciclo desastroso de 12 anos, iniciado a 19 de Abril de 2015, um mês e sete dias depois de José Sócrates ter tomado posse como primeiro-ministro, estigmatizado por escândalos, abusos e demais ataques aos direitos, liberdade e garantias dos cidadãos, como é, aliás, graças ao jornalismo livre, do inteiro conhecimento público.

Mas é mais: é o fim da ficção hipócrita, para não lhe chamar falsidade grosseira, que as secretas operam na mais estrita legalidade se forem lideradas por magistrados.

A indicação de José Júlio Pereira Gomes também tem outro significado de monta: acabou o "sonho" dos serviços serem conduzidos por profissionais da casa, do SIS ou do SIED, com experiência, competência e credibilidade, de forma a dar mais garantias de independência face aos partidos, maiorias e governos.

Com a escolha do embaixador de Portugal na Suécia, abençoada pelos dois maiores partidos portugueses, PS e PSD, as secretas retomam, assim, o seu percurso de comunhão e promiscuidade entre as informações e o aparelho do Estado, com os resultados negativos que já conhecemos no passado.

A conclusão é óbvia: estão garantidas as condições, aparentemente, para que cada partido, cada barão, cada maioria, cada governo, continuem a ter no Sistema de Informações da República Portuguesa alguns dos seus homens, sempre atentos, quiçá, prestáveis.

O retrocesso está confirmado.

Resta a José Júlio Pereira Gomes contrariar a marcha da descredibilização dos serviços de informações.

É que dos cobardes e mentirosos não reza a história.

Wednesday, February 22, 2017

Angola e Portugal: estadistas de pacotilha


Portugal continua a viver assim.

Num pântano político que é sempre pautado por dois momentos: o primeiro, em que os políticos e governantes não olham a meios para defender os seus interesses e de facção, hipotecando o futuro do país; o segundo, em que os mesmos revelam o auto-proclamado sentido de Estado para consertar a situação, qual pragmatismo que tem vendido o país aos pedaços e aberto as portas ao dinheiro sujo da corrupção e das ditaduras sanguinárias.

Da esquerda à direita, de Costa a Marcelo, nada de novo no horizonte, pois o que interessa é captar investimento e vender a qualquer custo a Angola, China, Guiné Equatorial, Venezuela, etc, e, se possível, tentar tapar o buraco na banca, da responsabilidade de bancários incompetentes, com dinheiro venha ele donde vier.

Não há limites para esta triste realidade em que o país se tem afundado, mais e mais, para depois se tentar levantar chafurdando no pior do pior.

A mais recente cena desta novela de má qualidade é o adiamento da visita de Francisca Van Dunem a Angola.

Imposto pelas autoridades angolanas, num curto comunicado, emitido à última hora.

Sem apelo nem agravo. Humilhando a ministra da Justiça e o governo de Portugal.

Já todos tinham percebido que António Costa tinha angariado Francisca Van Dunem essencialmente por causa da sua origem, visando acalmar qualquer irritação do ocupante do Palácio do Futungo, e não para fazer obra na Justiça.

Para já, o trunfo de Costa saiu furado, pois os problemas de Manuel Vicente com a Justiça portuguesa vão arrastar, inevitavelmente, as relações entre Angola e Portugal para um período sombrio.

Mas com estes estadistas de pacotilha tudo se pode arranjar. Quem sabe com mais um investimento angolano ou um par de malas de dólares bem lavadinhos, quiçá com o carimbo da família de José Eduardo dos Santos, tudo se pode compor.

Como serve a Angola e a Portugal, dizem eles, o que lá vai lá vai, até ao dia em que o povo angolano se livrar de uma ditadura corrupta e implacável.

Tuesday, January 10, 2017

Mário Soares: um par de segundos


Não fui um dos 785355 cidadãos portugueses que votaram Mário Soares em 2006.

Foi no comício de encerramento da campanha presidencial, na FIL, em Lisboa, que me despedi da lenda.

Mário Soares, no palco, derrotado, ficou frente-a-frente com os milhares de socialistas depois das principais figuras do PS terem dado uns passos atrás, já certos que o fundador do PS seria estrondosamente batido por Manuel Alegre, permitindo a eleição de Aníbal Cavaco Silva à primeira volta.

Durante um breve momento, um par de segundos, cruzámos o olhar.

Eu fascinado por assistir ao momento histórico da queda de uma referência da Democracia; ele curioso por causa do meu insistente olhar para quem, sem precisar de provar nada, arriscou, perdeu mas condicionou a História.

Olhos nos olhos, naquele preciso momento, percebi claramente que nem o desaire monumental diminui a Liberdade.

Os erros e as venalidades de Mário Soares nunca diminuíram o Homem que escolheu, lutou e caminhou até ao fim.