Thursday, July 27, 2017

Operação Marquês: e o PS?


Mais de quatro anos depois do início formal da intitulada Operação Marquês, que levou à detenção e prisão preventiva de José Sócrates e já constituiu 30 arguidos, não há notícia que o Ministério Público esteja a investigar os cofres do Partido Socialista ou de quaisquer outros partidos políticos portugueses.

No contexto da vida política portuguesa, ninguém ficaria chocado se as investigações começassem por ter sido centradas nas contas do partido que Sócrates liderou.

Mas, para já, nem notícia, nem rumor, nem debate, nem exigência, nem nada.

Por que será?

Por que razão misteriosa, face a todos os indícios e suspeitas que têm vindo a público, com mais ou menos citação de peças processuais, e mais ou menos rigor jornalístico, nunca ninguém se atreveu a questionar a evidência: com tanto roubo de dinheiros públicos, tanta negociata, tanta corrupção, tanta comissão, tanta lavagem de dinheiro, então não terá sobrado nada para o partido do coração de Sócrates?

E com tanta ligação transversal, característica do Bloco Central, também não terá sobrado nem uma migalha para outros partidos políticos, sobretudo aqueles que têm representação na Assembleia da República?

O silêncio sobre esta questão tem sido de chumbo, revelando uma reverência muito especial, quiçá, um carinho ternurento e protector, em relação aos partidos políticos.

Em bom rigor, apenas Nuno Garoupa, na apresentação do livro "Os Três Magníficos", de Rui Verde, na Fnac Chiado, no passado dia 30 de Maio de 2016, ousou abordar esta questão de uma forma competente, descomprometida e cristalina, sem insinuações, mas com o rigor e a força dos exemplos passados na Europa e por esse mundo fora.

E não faltam exemplos, da esquerda à direita, desde Lula da Silva (PT - Partidos dos Trabalhadores) a Helmut Khol (CDU - União Democrata Cristã), sem esquecer o escândalo mesmo aqui ao lado, em Espanha, com José María Aznar e Mariano Rajoy (PP - Partido Popular).

O padrão não pode ser mais gritante: sempre que houve políticos, que ocuparam os mais altos cargos de Estado, envolvidos em casos de corrupção, então as investigações chegaram sempre aos cofres dos seus partidos políticos.

Em Portugal, por ora, tudo parece ser diferente.

Os banqueiros e os bancos já não escapam; nem os grandes empresários e as maiores empresas; nem mesmo os juízes e os procuradores.

Mas os partidos políticos...

A Justiça tem permitido a consolidação de uma cultura de impunidade no funcionamento dos partidos políticos, como comprova o "escrutínio" das suas contas e finanças, ano após ano, eleição após eleição.

Com a aproximação de mais uma data limite para a conclusão do inquérito criminal, resultante da "Operação Marquês", será que o país ainda vai ter uma enorme surpresa?

A Democracia nunca será uma verdadeira Democracia enquanto existir a percepção que os partidos políticos são uma espécie de coutada à parte.

Tuesday, July 18, 2017

Gentil Martins não é um exemplo


O país foi sacudido por um par de declarações avulsas de Gentil Martins sobre a "anomalia" homossexual e a "imoralidade" de um homem solteiro recorrer a uma barriga de aluguer para ter filhos.

O professor Gentil Martins proferiu uma opinião pessoal, não fez uma afirmação como médico, nem o poderia ter feito, desde logo porque nem tem competência, nem argumentação científica.

Urge desconstruir tais boutades, ao nível da conversa de café, sem cair no logro do politicamente correcto ou da intolerância bacoca, sublinhando que as declarações de gentil Martins são tão infundadas como tantas outras que ocupam o debate público, por exemplo, como aquela proferida pelo Presidente iraniano, Mohammed Ahmadinejad, em 2005, quando considerou o Holocausto um mito.

O assunto só assume alguma relevância por causa dos eventuais efeitos colaterais que tais afirmações, gratuitas e falsas, podem ter num jovem adolescente que, hoje, ainda não sente a confiança suficiente para poder viver (sem ter que exibir!) a sua orientação sexual.

Felizmente, o debate já permitiu repor a verdade dos factos.

Aliás, depois de glosada a qualidade de católico de Gentil Martins, seria de esperar uma declaração da Conferência Episcopal da Igreja católica portuguesa para manter a devida distância.

Quanto a Cristiano Ronaldo e ao recurso a barrigas de aluguer, Gentil Martins, sempre ávido pelos holofotes, hoje como ontem, confirmou o seu preconceito e ignorância, acabando por denunciar ao que veio: o insulto vulgar e rasteiro.

Ainda assim continuo a defender a liberdade de expressão e opinião, sem qualquer tipo de censura, mas nunca abdicando do exigível enquadramento jornalístico e editorial em nome do rigor factual.

Era exigível, obviamente, um contraponto da parte de quem o entrevistou e/ou uma edição mais competente que sublinhasse a alarvidade das afirmações de tão ilustre entrevistado, mas isso são contas de outro rosário, muito mais oportuno, sobre o mau serviço público prestado pelo semanário "Expresso", apesar de poder ter vendido mais uns exemplares.

Não sei se Gentil Martins, actualmente, é bissexual, gay ou hetero; também não sei se teve uma vida feliz ou se foi espancado, abusado ou vítima de bullying quando era criança; e também não sei se a sua idade terá avivado algum desvio típico do estereótipo do "macho latino".

Apenas posso opinar que não é um exemplo, nem para mim, nem para um católico, seguramente para ninguém com o mínimo de honestidade intelectual.