Wednesday, May 10, 2017

Secretas: retrocesso confirmado


Os serviços de informações vão ter um novo secretário-geral: José Júlio Pereira Gomes.

É o fim de um  ciclo desastroso de 12 anos, iniciado a 19 de Abril de 2015, um mês e sete dias depois de José Sócrates ter tomado posse como primeiro-ministro, estigmatizado por escândalos, abusos e demais ataques aos direitos, liberdade e garantias dos cidadãos, como é, aliás, graças ao jornalismo livre, do inteiro conhecimento público.

Mas é mais: é o fim da ficção hipócrita, para não lhe chamar falsidade grosseira, que as secretas operam na mais estrita legalidade se forem lideradas por magistrados.

A indicação de José Júlio Pereira Gomes também tem outro significado de monta: acabou o "sonho" dos serviços serem conduzidos por profissionais da casa, do SIS ou do SIED, com experiência, competência e credibilidade, de forma a dar mais garantias de independência face aos partidos, maiorias e governos.

Com a escolha do embaixador de Portugal na Suécia, abençoada pelos dois maiores partidos portugueses, PS e PSD, as secretas retomam, assim, o seu percurso de comunhão e promiscuidade entre as informações e o aparelho do Estado, com os resultados negativos que já conhecemos no passado.

A conclusão é óbvia: estão garantidas as condições, aparentemente, para que cada partido, cada barão, cada maioria, cada governo, continuem a ter no Sistema de Informações da República Portuguesa alguns dos seus homens, sempre atentos, quiçá, prestáveis.

O retrocesso está confirmado.

Resta a José Júlio Pereira Gomes contrariar a marcha da descredibilização dos serviços de informações.

É que dos cobardes e mentirosos não reza a história.