terça-feira, 29 de maio de 2018

Eutanásia: não votem por mim


A votação na Assembleia da República sobre a legalização da eutanásia é um assalto à Democracia.

À excepção de um Deputado, o que representa os eleitores que votaram no PAN, nenhum outro tem legitimidade para votar em nome dos cidadãos, porque foram eleitos sem claramente indicarem a questão no respectivo programa eleitoral.

Não, não é uma questão formal, mas sim o mais elementar respeito pela vontade popular, por aqueles que ainda acreditam que a Assembleia da República acata e respeita a escolha dos cidadãos, depois de devidamente esclarecidos e auscultados.

Há uma certa classe política que julga que tudo pode sem prestar contas, desde que consiga assento nos bancos do poder.

De igual modo, à esquerda e à direita, também há uma certa espécie de políticos que se consideram tão iluminados, e senhores da razão, que julgam poder prescindir de saber qual é a opinião dos cidadãos em relação às suas propostas.

Como se a autoridade da representação fosse absoluta e inquestionável.

Obviamente, a questão da eutanásia, tal como é colocada agora, só pode ser resolvida através da realização de um referendo.

Somente através deste instrumento democrático é possível saber a vontade dos portugueses.

E, já agora, antes de tratar de um assunto tão delicado como a morte, os Deputados deviam estar mais preocupados com a vida dos portugueses, ou melhor como sobrevivem.

P. S. Eu sou favorável à eutanásia, mas não votem por mim sem me ouvirem.



sexta-feira, 4 de maio de 2018

PS mais forte, Sócrates mais fraco



A nova estratégia de António Costa, Augusto Santos Silva e Carlos César sobre José Sócrates é genuína ou é apenas mero oportunismo? 

O juízo de valor cabe a cada um, mas o certo é que todos concordam que já tardava um julgamento político do PS sobre tudo o que veio a público de Sócrates e afins nos últimos quatro anos 

E que não haja qualquer confusão, estamos apenas a assistir a um julgamento político, pois o julgamento judicial será feito em tribunal. 

É preciso falar claro: bastaram duas declarações de Ana Gomes sobre José Sócrates e Manuel Pinho para o PS cair em si[1]

O desassombro da eurodeputada socialista, a sua autoridade política e a exemplar conduta nas mais diversas e relevantes funções públicas foram suficientes para vergar a actual nomenclatura do partido constituída por segundas figuras do consulado em que Sócrates mandava e reinava perante os ordeiros militantes socialistas. 

Aliás, o que mais espanta não é só a posição tardia do PS a reboque de Ana Gomes, mas sim o silêncio dos restantes partidos políticos, sobretudo aquele que tem imperado no Bloco de Esquerda e no PCP. 

A defesa que Sócrates faz de Pinho não espanta. 

Nem tão-pouco surpreende a sua decisão de abandonar o PS. 

Ambas fazem parte de uma estratégia de defesa, cuja novidade é o acrescentar de mais um passo na sua campanha de vitimização e de fuga para a frente num momento em que ainda é preciso esperar algum tempo para saber o que mais por aí vem. 

O flic-flac colectivo sobre Sócrates é apenas mais um sinal da podridão do regime em que os cúmplices do passado, uns por acção, outros por omissão, tentam a todo o custo salvar a pele e saltar do barco à beira do naufrágio. 

Sócrates e Pinho já são passado, ambos estão politicamente mortos e a contas com a Justiça. 

Agora, o mais importante é não deixar escapar todos aqueles que serviram e se serviram de ambos para benefício próprio, prejuízo do país e de todos os portugueses. 

A alguns dias do realizar o seu congresso nacional, que se realiza na Batalha, entre 25 e 27 de Maio, é caso para dizer: o PS está mais forte e José Sócrates está cada vez mais fraco. 




[1] http://maisactual.blogspot.pt/2017/12/ana-gomes-e-verdade.html

terça-feira, 3 de abril de 2018

Facebook: não há inocentes


Mais de 70 mil milhões de dólares foi o preço que a empresa de Mark Zuckemberg pagou pelo gigantesco "descuido" na protecção de dados dos seus "amigos".

De imediato, alguns dos oportunistas do costume "apagaram" as suas contas e vociferaram contra a nova era digital de "insegurança", armados em vítimas de uma devassa com a qual, aliás, nunca se importaram no passado.

Se não fosse caricato até dava vontade de rir, mas no mundo actual, em que um cone de informação veiculado pelos canais adequados faz lei, tudo é tão etéreo como o mercado global.

É caso para dizer: no passa nada.

Obviamente, esta indignação "colectiva" tem um alvo: Donald Trump.

O que está em causa, verdadeiramente, não é prevenir e reagir contra um dos maiores perigos que a Democracia atravessa, mas sim o combate político ao mais heterodoxo presidente eleitos dos Estados Unidos.

A violação dos direitos individuais dos cidadãos, bem como do seu inalienável direito à privacidade, passou a ser a regra, a política impune da generalidade dos Estados, democráticos e ditatoriais.

Não é o Face que representa o maior perigo.

São os departamentos de Estado, as secretas e as polícias que representam a maior ameaça aos valores democráticos.

Aliás, quem já não se recorda do telefonema que Zuckemberg fez a Barack Obama, em Março de 2014?

O grande Executivo chegou mesmo a dizer que o governo dos Estados Unidos «deveria ser o paladino da Internet, não uma ameaça».

O "protesto" ocorreu depois de documentos secretos revelarem que a Agência de Segurança Nacional (NSA) se disfarçou de um servidor do Facebook para infectar milhões de computadores de usuários suspeitos.

O mais extraordinário é que estes "ataques" com face deram origem a uma extraordinária "aliança": Facebook, Google, Apple, Microsoft, Twitter, AOL, Linkedin e Yahoo formaram a chamada "Reforma da Vigilância do Governo".

Quem ouviu Edward Snowden, nas Conferências do Estoril, em Maio de 2017, não tem quaisquer dúvidas sobre o que está em causa, em termos gerais e também no que diz respeito ao jornalismo.

Apesar da comunicação não ter merecido a cobertura mediática ao nível do que estava (e está!) em jogo – revelando um desinteresse obsceno da parte dos jornalistas e patrões da imprensa –, a verdade é que Snowden colocou o dedo na ferida: como podem os jornalistas investigar, proteger as suas fontes e publicar notícias se são escutados e vigiados?

Neste, como noutros dossiers sensíveis, o papel dos jornalistas assume relevância maior, desde que queiram continuar a ser jornalistas.

No caso da mais recente polémica sobre o Facebook, não há inocentes.

sexta-feira, 9 de março de 2018

Marcelo: auto-estima, pântano e bailete


O presidente da República tem pautado o seu mandato pela proximidade, exibindo um estilo informal.

É verdade que o país precisava de uma lufada de ar fresco e de ânimo, mas promover a auto-estima dos portugueses não é igual a participar em eventos mais ou menos folclóricos e enviar uns recados avulsos em dias de comemoração, os quais, quando isolados e desgarrados, apenas servem para reforçar a sensação de branqueamento generalizado.

E a auto-estima de um povo só pode ser atestada pela regra, e não pela excepção traduzida na inauguração de mais uma obra faraónica ou de um momento de exaltação patriótica.

A valorização da auto-estima só se alcança com verdade, transparência e políticas concretas.

Por ter saneamento básico, mesmo no mais recôndito lugar do país;

Por ter Saúde, sem ter de estar horas numa fila de espera ou correr o risco de morrer por causa de uma bactéria à solta nos hospitais;

Por ter Educação, sem chafurdar nas conjunturas políticas, partidárias e sindicais;

Por ter acesso à Justiça, sem ter de pedir dinheiro emprestado para pagar as custas e assegurar advogados com o mínimo de experiência;

Por ter acesso à Cultura desde a escola primária, sem ter de pagar umas feiras, uns concertos e umas óperas com convidados em traje de gala.

Em suma, a apologia da auto-estima é assumir o pior, sem vergonha, rodeios e paninhos quentes, pois só assim é possível mudar e progredir.

Por isso é que os negócios, negociatas e demais falcatruas, que têm assaltado a agenda mediática e o quotidiano dos portugueses, já deviam ter mobilizado o presidente para o combate aos ladrões e corruptos.

Na batalha sem quartel que se está a travar entre as máfias que dominaram o país nas últimas décadas, como atestam os mais diversos processos judiciais e os livros dados à estampa com estrondo, Marcelo Rebelo de Sousa tem de escolher entre a equidistância cúmplice e a reprovação activa e mobilizadora.

Portugal só conseguirá sair do pântano com atitudes cristalinas, a afirmação do Estado de Direito, a protecção dos direitos individuais e a defesa da liberdade de expressão.

Apesar de ter interiorizado a cultura democrática, Marcelo Rebelo de Sousa é o que é, não pisa o risco, continua a ser o fiel sorridente do sistema, o comentador do regime, o amigo de todos, dos "doces" aos  "salgados".

Mas a vida é como é, desde que os cidadãos assim o permitam.

E têm permitido tudo, com o beneplácito de uma elite venal e venial, de uma classe política assolada pela opacidade e corrupção e de uma comunicação social tão veneranda quanto falida, salvo raras excepções.

Mas Portugal é muito maior do que uma certa canalha minoritária e transitória, hoje como ontem instalada no poder, que multiplica elogios e estende a passadeira vermelha a quem varre o lixo para debaixo do tapete como quem dança a valsa.

Mesmo para aqueles que querem parecer o que não são, nem nunca foram, com a cumplicidade do exército de pardos pagos principescamente para nada ver, ouvir e saber, a realidade é só uma: a batalha pela melhoria da auto-estima de um povo é muito mais do que um bailete.




P. S. Esta crónica foi escrita em 19 de Outubro de 2016. Mais de um ano depois continua Mais Actual!